Semana do aleitamento materno: desafios, aprendizado e doação


Postado em 03/08/2018



A Semana Mundial de Aleitamento Materno (#SMAM18), que vai de 1 a 7 de agosto, reforça todos os anos a importância desse ato. 
 
A caminhada das mães que se preparam para amamentar, ao mesmo tempo em que se preparam para a maternidade, nem sempre é fácil. Muitas relatam a respeito da exaustiva, mas linda jornada da amamentação e, assim, compartilham seus relatos com outras mulheres, familiares, amigos, profissionais de saúde e pessoas próximas que podem prestar apoio, sempre que necessário. 
 
É muito importante que a mãe busque informações e também converse e tire dúvidas relacionadas a esse assunto. 

O leite humano

Vale dizer que o leite humano é a alimentação ideal para todas as crianças. Em razão de sua composição e de seus nutrientes é considerado um alimento completo e suficiente para garantir o crescimento e desenvolvimento saudável do bebê, durante os primeiros 2 anos de vida. É de fácil e rápida digestão, completamente assimilado pelo organismo infantil. 
 
Outras vantagens estão relacionadas à redução em 13% da mortalidade de crianças até 5 anos, menor número de infecções respiratórias e de diarreia, diminuição do risco de alergias, diabetes, colesterol alto e hipertensão. 
 
A natureza é mesmo muito sábia nesse quesito, já que a mãe fornece ao filho componentes protetores, por meio da placenta e do seu leite, enquanto o sistema de defesa da criança amadurece.
 
O vínculo mãe-filho é fortalecido e o desenvolvimento emocional, cognitivo e do sistema nervoso do pequeno, facilitado através desse processo.
 

Opinião de quem sabe do assunto 

De acordo com a professora e coordenadora do curso de Pós-graduação em Nutrição Materno-Infantil pela Estácio, Gabriela Chamusca, esse é o primeiro passo para o descobrimento do mundo, por parte do bebê. Segundo ela, o aleitamento materno “envolve carinho, dedicação e amor”.  
 
Chamusca confirma que embora se fale e incentive a amamentação, nem sempre ela é tranquila, e a mãe para ter sucesso muitas vezes precisa da orientação de um profissional da saúde, como o nutricionista, que teria um papel fundamental na indicação da prática e dos cuidados com a alimentação. 
 
Para a nutricionista, professora e coordenadora do curso de Nutrição Pediátrica, Escolar e na Adolescência, Vanessa Coutinho, é impossível ignorar os sintomas e a dor provocada durante a amamentação, bem como sinais que indicam vermelhidão, mal-estar, inflamação e até febre ou calafrios. “Raramente o problema acomete as duas mamas ao mesmo tempo, e ocorre por leite represado nos ductos mamários ou lesões”, afirma. 
 
Segundo Coutinho, tomar um banho quente e massagear os seios não seria o correto, pois a água quente prejudica ainda mais a inflamação. O ideal seria o uso do gelo.
 
“A saída é, então, ordenhar naturalmente, ou com uso da bomba. Se necessário, usar um analgésico ou antiinflamatório - lembrando que é o médico quem deve prescrever, principalmente se for mastite bacteriana, que pede o uso do antibiótico”, complementa a professora. 
 
Em tempo: A rede brasileira de bancos de leite humano, a maior do mundo, reúne 218 hospitais e 161 postos de coleta distribuídos em todos os estados. O modelo brasileiro já foi exportado para 25 países da América Latina, da África e da Europa. 
 

0800 378 2246



Copyright © Pós Graduação Estácio 2018