A relação da compulsão alimentar com transtornos psicológicos


Postado:


É conhecido como compulsão alimentar o distúrbio caracterizado pelo impulso pela ingestão exagerada de alimentos sem a presença de fome ou a necessidade física de alimentação. Geralmente, a vítima desse distúrbio perde o controle sobre o que e o quanto está ingerindo, fazendo com que se alimente em grandes quantidades em curtos espaços de tempo.Os riscos desse distúrbio incluem náuseas, vômitos e o desenvolvimento de obesidade e diabetes.

Esse distúrbio alimentar está relacionado a uma predisposição genética para o desenvolvimento de transtornos alimentares, somado a fatores neurobiológicos. Essa soma de fatores associa a compulsão a transtornos psíquicos como ansiedade e depressão. Segundo especialistas, aspectos emocionais como baixa tolerância à frustração, dificuldade em lidar com perdas, emoções negativas e baixa autoestima tornam o indivíduo ainda mais suscetível ao desenvolvimento de compulsão alimentar.

 

Principais sintomas

Vítimas de compulsão alimentar geralmente apresentam angústia e culpa pela falta de controle sobre a sua condição. Entretanto, embora episódios esporádicos de alimentação exagerada sejam comuns, o distúrbio é identificado a partir do momento em que tais episódios acontecem mais de três vezes na semana, fazendo com que as crises se tornem um hábito e a pessoa se torne dependente da comida. É comum que, em crises de compulsão alimentar, a vítima sinta que a ingestão exagerada de alimentos alivie sua crise de ansiedade e, dessa forma, o alimento se torna um objeto de prazer e “fuga” para angústias.

Existem alguns sintomas da compulsão que devem ser observados. Vítimas de compulsão alimentar geralmente se alimentam mais rápido que o normal, comem sem sentir fome e continuam comendo mesmo quando saciadas. Também é comum que o indivíduo coma sozinho ou escondido, se torne mais introvertido ou triste. É importante ressaltar, ainda, que essas crises resultam em náuseas e vômitos, uma vez que o estômago não suporta a grande quantidade de alimento ingerido.

 

Tratamento

Assim como no tratamento de outros distúrbios relacionados à alimentação, o tratamento da compulsão alimentar deve ocorrer de forma multidisciplinar. O indivíduo necessita receber acompanhamento médico, psicológico e nutricional, muitas vezes necessitando de prescrição de medicamentos para o controle da ansiedade. Já o profissional de nutrição indicará uma reeducação alimentar balanceada, readaptando o cardápio com opções mais nutritivas, equilibradas e em quantidades essenciais.

Para o tratamento adequado, é necessário que a vítima busque ajuda a partir do momento em que nota que há algo errado, uma vez que percebe que a comida está deixando de ser um meio de se alimentar e se tornando uma válvula de escape para angústias. Recomenda-se também a prática de atividades físicas, as quais são úteis para manter o corpo e a mente saudáveis, ajudando na produção de endorfina e no controle da ansiedade.

 

Você é profissional de Nutrição e deseja se destacar profissionalmente com uma especialização? Conheça o curso de Pós-graduação em Obesidade e Emagrecimento da Pós Estácio!

 

Leia também:

Os riscos e os benefícios do jejum intermitente

Entenda as mudanças internas e externas no corpo da mulher durante a gestação 

0800 378 2246

Outros Links



Copyright © Pós Graduação Estácio 2019