Transtornos psicológicos mais comuns durante a pandemia de Covid-19


Postado:


Veja os transtornos psicológicos mais comuns durante a pandemia de Covid-19

Em tempos de pandemia de coronavírus e, consequentemente, de isolamento social, outras doenças também andam preocupando a população: os chamados transtornos psicológicos. Você sabe quais são os transtornos mais comuns no período de quarentena? Venha descobrir!
 
Essa situação única que estamos vivendo, de certo nos deixa mais ansiosos, estressados, tristes, com raiva ou com medo, tendo em vista os desafios diários e a incerteza do futuro. O problema é quando todas essas sensações se tornam transtornos e começam a atrapalhar nosso dia a dia. 
 
Uma pesquisa do Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) constatou que os casos de depressão quase dobraram desde o início da quarentena. Junto com a ansiedade e o estresse, a depressão é um dos transtornos mais comuns no Brasil durante a pandemia. 
 

O que pode disparar esses sentimentos?

Esses sentimentos que aparecem, muitas vezes são disparados por alguns motivadores quando o assunto é pandemia de Covid-19. 

Isolamento social

Antes de mais nada, ficar em casa, quando possível, é essencial para que consigamos lidar com a pandemia no Brasil e, assim, reduzir a taxa de contágio. Todos nós temos que seguir as recomendações feitas pelas autoridades de saúde, por mais que existam discussões se há ou não rivalidade entre isolamento e economia
 
De todo modo, a estratégia do isolamento social tem algumas consequências negativas para a população. Um estudo da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, afirma que não ter contato social pode ser tão nocivo à saúde quanto fumar 15 cigarros por dia, e pode ser duas vezes pior para a saúde do que a obesidade.  
 
Leia: Plano de retomada: quais cuidados são essenciais para a retomada das atividades?

Infodemia

Hoje, mais do que nunca, vivemos submersos em informações e em conteúdos. Segundo o site Internet Live Stats, a cada segundo são feitas cerca de 85 mil pesquisas no Google, e são produzidas e postadas mil fotos no Instagram,  9 mil no Twitter, e 85 mil vídeos são vistos no Youtube. Além disso, o isolamento social modificou o consumo de internet no Brasil
 
Assim, mesmo antes de decretar a situação de pandemia, a OMS já classificava o cenário como uma infodemia, ou seja, uma quantidade exorbitante de conteúdo, que pode ser falso ou verdadeiro, e que, no final das contas, acaba prejudicando o entendimento das orientações oficiais.

Incerteza

É certo que estamos lutando contra um oponente sem rosto e sem corpo, e o pior, que pode estar em qualquer lugar: o vírus. Para piorar, por mais que as pesquisas para o desenvolvimento de uma vacina estejam caminhando, não sabemos ao certo quando teremos disponível a nossa vacinação e a de nossos entes queridos.
 
Essa situação nos coloca num lugar em que a incerteza do amanhã toma conta dos dias, podendo gerar cargas de estresse, ansiedade e tensão. 
 

Como cuidar da saúde mental durante a quarentena?

Em meio a tantos sentimentos, o cuidado com nós mesmos e com os outros é indispensável. Pensando em saúde mental, algumas ações podem ser tomadas para tentar aliviar algumas sensações:
 
Estar junto, só que separado: para driblar o isolamento social, podemos manter o contato social por meio da tecnologia. É hora de utilizar as ferramentas online que estão disponíveis, inclusive os aplicativos de videochamada: Google Hangouts, Zoom, Skype e o próprio WhatsApp.
 
Evitar o consumo excessivo de conteúdo: é aconselhável fazer uma dieta de notícias e, assim, tentar passar menos tempo nas redes sociais, assistindo noticiários. Além disso, ao consumir informação, vale sempre priorizar meios de comunicação oficiais, pois essa é uma forma de evitar as fake news.
 
Praticar meditação e ioga: essas práticas ajudam a lidar com a ansiedade, a pressa e a impaciência, e têm vários benefícios: melhoram o sistema imunológico; aliviam a depressão, a ansiedade, a raiva e a confusão; e conferem uma sensação de calma, paz e equilíbrio. Existe uma forma de se especializar nessas práticas, que é por meio da Pós EAD em Docência e Prática da Meditação.
 
Praticar esportes: as atividades físicas podem ser grandes aliadas para esses tempos, justamente por oferecerem diversos benefícios para a saúde física e mental. Vale a pena ficar de olho nas tendências para a área de Educação Física, como a prática de exercícios ao ar livre e os treinos com supervisão a distância.
 
Essas práticas e medidas não excluem a necessidade do acompanhamento de um profissional da saúde formado, qualificado e regulamentado para atuar com psicologia e psiquiatria.
 
Fique alerta: busque auxílio de profissionais da saúde no caso de sintomas recorrentes de desânimo, cansaço extremo e preocupação exagerada. Hoje, existem redes de apoio que podem ser acionadas, bem como o teleatendimento.
 
Contudo, a necessidade dos profissionais de saúde mental especializados em psicologia, principalmente nesse momento, torna-se essencial e indispensável. O Conselho Federal de Psicologia instituiu a possibilidade de atuação dos profissionais da área em emergências e desastres, daí a importância de profissionais com especialização em Psicologia nesse momento. 
 
conteúdos gratuitos de psicologia

 

0800 378 2246

Outros Links



Copyright © Pós Graduação Estácio 2020